el país __

Posted: June 11, 2018 in jornalismo, world midia

Facebook El PAÍS

Buenas noches. Esto ha sido noticia hoy.
España acogerá al barco ‘Aquarius’ en Valencia por razones humanitarias

España acogerá al barco ‘Aquarius’ en Valencia por razones humanitarias
Rajoy: “No tengo sucesores ni delfines”
Dimite un vicerrector de la Universidad de Extremadura por la filtración de exámenes
  Kim y Trump, una cumbre histórica bajo señales de optimismo

Kim y Trump, una cumbre histórica bajo señales de optimismo

 ‘Ceguera popular’, por Víctor Lapuente
Algo para leer esta noche
Un compuesto extraído de un cardo frena la metástasis cerebral
El misterioso silencio de Galdós sobre sus orígenes canarios
Gracias por leernos
Apúntate a otras newsletters de EL PAÍS »

El Roto

Advertisements

SecultBA oferece capacitação para 120 jovens empreendedores em três municípios baianos
Projeto executado através do Escritório Bahia Criativa é voltado para jovens atuantes na área da cultura

Apostando na força e criatividade da juventude para impulsionar a cultura como um elemento de integração entre as pessoas, e no potencial da economia criativa para contribuir com o crescimento do estado, a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia lança o projeto Bahia Criativa – Jovens Empreendedores. A ação vai qualificar 120 jovens, entre 18 e 29 anos, que desenvolvem projetos ligados à cultura, através de capacitações e consultorias gratuitas, focadas no empreendedorismo e no estímulo à inovação.

Os cursos acontecerão em Salvador (duas turmas de 30 vagas), Vitória da Conquista e Ilhéus (30 vagas por turma), totalizando 64 horas de formação por grupo. A capacitação incluirá oficinas e consultorias coletivas, abordando temas como Financiamento de Empreendimentos Criativos; Marketing Cultural; Elaboração de Projetos; Preparação para pitching; Enquadramento de Projetos Culturais; Marketing para Empreendedores Culturais; e Formatação de Portfólio. As inscrições podem ser realizadas entre os dias 12 de junho e 06 de julho, no site da SecultBA (www.cultura.ba.gov.br).

O projeto é uma oportunidade para jovens interessados em construir ou estruturar projetos e empreendimentos voltados à economia criativa. A proposta é oferecer aos participantes um conjunto de técnicas e ferramentas que os possibilitem transformar suas ideias em projetos e empreendimentos tecnicamente viáveis.

Para se inscrever, é necessário preencher o formulário disponível no site e enviar materiais que demonstrem um pouco da atuação do candidato. Pode ser um vídeo, fotografias, um aplicativo ou uma publicação. Aqueles que cumprirem os requisitos poderão participar de entrevista presencial para apresentação da sua idéia ou projeto. A lista dos participantes será divulgada na primeira quinzena de julho, no site e redes sociais da SecultBA.

Jovens Empreendedores é um projeto do Escritório Bahia Criativa, da SecultBA, e conta com apoio do Ministério da Cultura via convênio.
Serviço
Curso Bahia Criativa – Jovens Empreendedores
Inscrições online: 12 de junho a 6 de julho de 2018 no site da SecultBA
Público alvo: Jovens de 18 a 29 anos com ensino médio completo e atuação de forma individual ou coletiva em projetos ligados à economia criativa
Contatos: bahia.criativa@cultura.ba.gov.br / (71) 3319-0033 / 3242-8960
Confira o conteúdo do Curso:
Capacitação técnica
ü Elaboração de Projetos (16 horas)
ü Financiamento de Empreendimentos Criativos (8 horas)
ü Marketing Cultural (8 horas)
ü Preparação para pitching (8 horas)
Mentoria (consultoria coletiva)
ü Enquadramento de Projetos Culturais (8 horas)
ü Marketing para Empreendedores Culturais (8 horas)
ü Formatação de Portfólio (8 horas)
Assessoria de Comunicação – SecultBA
(71) 3103-3442 (71) 3103-3452 (71) 99983-5278
http://plugcultura.wordpress.com
http://www.flickr.com/photos/secultba/
http://twitter.com/SecultBA
http://www.cultura.ba.gov.br
====================================
Secretaria de Cultura do Estado da Bahia
Gabinete da Secretária – Palácio Rio Branco, Praça Thomé de Souza, s/n – Centro CEP: 40.020-010 – Salvador, Bahia]

 

Exibindo bahiacriativa.jpg

Posted: June 10, 2018 in ação social

O Brasil na beira da estrada

Quem, tendo uma eleição ali adiante, opta pelo caos para fazer revolução, quer o caos e não a democracia. O caos é o tempo dos piores, dos oportunistas, dos bandidos, dos sem escrúpulos. Não é o tempo dos democratas nem dos estadistas. Perguntem a cubanos e venezuelanos”. Texto de Percival Puggina:
As fotos são inacreditáveis. Quando estes dias forem uma triste lembrança e amarga lição, as imagens da greve dos caminhoneiros em 2018 ilustrarão momentos em que o Brasil, levado à beira do abismo, soube pisar no freio. Soube? É o que ainda espero, ao escrever estas linhas.

Enquanto o Brasil estertora no acostamento, uma parte da sociedade parece delirar. O país vai quebrar? Deixa quebrar. Quem tem trabalho não está conseguindo trabalhar e quem está produzindo não consegue produzir? Deixar estar. Quem tem o que vender, não encontra quem venha comprar? Faz parte. O PIB está levando um tombo muitas vezes bilionário? Não importa. Mas afinal, o que importa? Pois é, li que na pauta dos caminhoneiros existem itens que me agradam, como a queda do preço da gasolina, e o fim das urnas eletrônicas. Ah!

No cardápio das postulações há para todos os gostos. O que importa é capturar apoio popular para a mobilização dos “heróis” que, com insuperável eficiência, conseguiram mostrar a Temer o quanto todos, inclusive eu, o desprezamos. E sim, claro, isso é muito mais importante do que o Brasil.
Assisti, há alguns minutos, vídeo em que um caminhoneiro aos gritos, perguntando à longa fila de espera diante de um posto de combustível se os cidadãos que ali estavam pretendiam comer gasolina, porque, quisessem ou não, iria faltar alimento. O militante estava convencido de que a população devia subordinar-se às determinações do multiforme politburo grevista e ficar hibernando em casa enquanto eles cuidam de deteriorar a situação de todos. Fica proibido trabalhar. Ficam proibidas todas as atividades que envolvam direito de ir e vir. “Estátua!”, brincavam antigamente as crianças, obrigando os demais a permanecerem como estivessem. E assim comandam, hoje, os novos senhores de nosso cotidiano.
É quase inacreditável que tanta gente se deixe iludir pelas artimanhas de um movimento que foi infiltrado pelo que há de pior na política brasileira. A infiltração os fez afinar-se com os mesmos petroleiros que se tapavam de alaranjado com Lula e Dilma em reiterados comícios enquanto a Petrobras era saqueada e vampirizada a ponto de se tornar escárnio mundial e miniatura de si mesma. A infiltração passou a acolher terroristas, black blocs, a escória de 2013 e representantes dos hospedeiros da carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Os que se deixaram seduzir pelo movimento dos caminhoneiros parecem não perceber que se tornam reféns, meros objetos, favas contadas, na chantagem que eles impõem ao Estado.

Basta ouvi-los quando disseminam áudios e vídeos em falsa surdina ou tons ameaçadores para reconhecer o vocabulário. Qualquer pessoa com experiência em linguagem política sabe o que está na cabeça de quem assim se expressa. Buscam o caos com intuito revolucionários.

Não é mediante um cardápio de propostas difusas e confusas que se avança com seriedade pela via democrática, mas com a legitimação eleitoral de propostas consistentes. Cinco boas medidas de combate aos inimigos do Brasil, para pautar a eleição de outubro seriam: 1) não reeleger corruptos, coniventes e incompetentes; 2) agravar a lei penal e combater a impunidade; 3) diminuir em 10% a carga tributária, com redução compatível do custo do setor público mediante alterações constitucionais que o permitam; 4) extinção dos privilégios adquiridos; 5) fim do foro privilegiado.
Quem, tendo uma eleição ali adiante, opta pelo caos para fazer revolução, quer o caos e não a democracia. O caos é o tempo dos piores, dos oportunistas, dos bandidos, dos sem escrúpulos. Não é o tempo dos democratas nem dos estadistas. Perguntem a cubanos e venezuelanos.
Fonte: http://otambosi.blogspot.com/
AJUDA o BLOG A MANTER SEU TRABALHO NO AR,  CLIQUE NOS ANÚNCIOS. OBRIGADO
22:56:00

<href=”https://falandonalata1.files.wordpress.com/2018/06/6897b-caminhoneiros.jpg”&gt;

https://falandonalata1.files.wordpress.com/2018/06/6897b-caminhoneiros.jpg&#8221


Religião Liturgia Diáriadtl
Dia 10 de Junho – Domingo
X DOMINGO SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde, Glória, Creio – II Semana do Saltério)

Antífona de Entrada O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem poderia eu temer? O Senhor é o baluarte de minha vida, perante quem tremerei? Meus opressores e inimigos, são eles que vacilam e sucumbem (Sl 26,1s).

Oração do dia O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem poderia eu temer? O Senhor é o baluarte de minha vida, perante quem tremerei? Meus opressores e inimigos, são eles que vacilam e sucumbem (Sl 26,1s).

Leitura (Gênesis 3,9-15) Leitura do livro do Gênesis.
3 9 Mas o Senhor Deus chamou o homem, e disse-lhe: “Onde estás?”10 E ele respondeu: “Ouvi o barulho dos vossos passos no jardim; tive medo, porque estou nu; e ocultei-me.”11 O Senhor Deus disse: “Quem te revelou que estavas nu? Terias tu porventura comido do fruto da árvore que eu te havia proibido de comer?”12 O homem respondeu: “A mulher que pusestes ao meu lado apresentou-me deste fruto, e eu comi.”13 O Senhor Deus disse à mulher: Porque fizeste isso?” “A serpente enganou-me,– respondeu ela – e eu comi.”
14 Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais e feras dos campos; andarás de rastos sobre o teu ventre e comerás o pó todos os dias de tua vida.
15 Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar.”
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 129/130
No Senhor, toda graça e redenção!
Das profundezas eu clamo a vós, Senhor,
escutai a minha voz!
Vossos ouvidos estejam bem atentos
ao clamor da minha prece!

Se levardes em conta nossas faltas,
quem haverá de subsistir?
Mas em vós se encontra o perdão,
eu vos temo e em vós espero.

No Senhor ponho a minha esperança,
espero em sua palavra.
A minha alma espera no Senhor
mais que o vigia pela aurora.

Espere Israel pelo Senhor
mais que o vigia pela aurora!
Pois no Senhor se encontra toda graça
e copiosa redenção.
Ele vem libertar a Israel
de toda a sua culpa.

Leitura (2 Coríntios 4,13-5,1) Leitura da segunda carta se são Paulo aos Coríntios.
4 13 Animados deste espírito de fé, conforme está escrito: Eu cri, por isto falei, também nós cremos, e por isso falamos.
14 Pois sabemos que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus, nos ressuscitará também a nós com Jesus e nos fará comparecer diante dele convosco.
15 E tudo isso se faz por vossa causa, para que a graça se torne copiosa entre muitos e redunde o sentimento de gratidão, para glória de Deus.
16 É por isso que não desfalecemos. Ainda que exteriormente se desconjunte nosso homem exterior, nosso interior renova-se de dia para dia.
17 A nossa presente tribulação, momentânea e ligeira, nos proporciona um peso eterno de glória incomensurável.
18 Porque não miramos as coisas que se vêem, mas sim as que não se vêem . Pois as coisas que se vêem são temporais e as que não se vêem são eternas.
5 1 Sabemos, com efeito, que ao se desfazer a tenda que habitamos neste mundo, recebemos uma casa preparada por Deus e não por mãos humanas, uma habitação eterna no céu.
Palavra do Senhor.

Evangelho (Marcos 3,20-35) Aleluia, aleluia, aleluia.
O príncipe deste mundo agora será expulso; e eu, da terra levantado atrairei todos a mim mesmo (Jo 12,31s).
Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.
Naquele tempo, 3 20 Dirigiram-se em seguida a uma casa. Aí afluiu de novo tanta gente, que nem podiam tomar alimento.
21 Quando os seus o souberam, saíram para o reter; pois diziam: “Ele está fora de si.”
22 Também os escribas, que haviam descido de Jerusalém, diziam: “Ele está possuído de Beelzebul: é pelo príncipe dos demônios que ele expele os demônios.”
23 Mas, havendo-os convocado, dizia-lhes em parábolas: “Como pode Satanás expulsar a Satanás?
24 Pois, se um reino estiver dividido contra si mesmo, não pode durar.
25 E se uma casa está dividida contra si mesma, tal casa não pode permanecer.
26 E se Satanás se levanta contra si mesmo, está dividido e não poderá continuar, mas desaparecerá.
27 Ninguém pode entrar na casa do homem forte e roubar-lhe os bens, se antes não o prender; e então saqueará sua casa.
28 “Em verdade vos digo: todos os pecados serão perdoados aos filhos dos homens, mesmo as suas blasfêmias;
29 mas todo o que tiver blasfemado contra o Espírito Santo jamais terá perdão, mas será culpado de um pecado eterno.”
30 Jesus falava assim porque tinham dito: “Ele tem um espírito imundo.”
31 Chegaram sua mãe e seus irmãos e, estando do lado de fora, mandaram chamá-lo.
32 Ora, a multidão estava sentada ao redor dele; e disseram-lhe: “Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e te procuram.”
33 Ele respondeu-lhes: “Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?”
34 E, correndo o olhar sobre a multidão, que estava sentada ao redor dele, disse: “Eis aqui minha mãe e meus irmãos.
35 Aquele que faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.”
Palavra da salvação.

Resultado de imagem para (Jo 12,31s). Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.350 × 250

Comentário ao Evangelho O PECADO CONTRA O ESPÍRITO SANTO
Existe um tipo de pecado para o qual não haverá perdão. É o pecado contra o Espírito Santo. Em que consiste a gravidade deste pecado que o torna imperdoável? Jesus, desde o seu batismo, foi apresentado como o Filho de Deus, a quem se devia dar ouvido. Ele foi constituído mediador da salvação divina oferecida a toda humanidade. Suas palavras e ações, porém, tinham como princípio dinamizador o Espírito Santo, poder de Deus atuando nele, manifestado já por ocasião do batismo.
Portanto, a atitude de seus parentes, que o acusavam de louco ao verem as multidões acorrem a ele, e a interpretação dos mestres da Lei, para quem ele agia pelo poder de Belzebu, chocava-se com a realidade da ação divina em Jesus. Pois significava negar que o Espírito Santo agia através de Jesus e atribuir ao demônio o que pertencia ao Espírito de Deus. Eis uma autêntica blasfêmia!
As acusações contundentes levantadas contra Jesus manifestam um fechamento à ação do Espírito. Assim como Jesus agia pela força do Espírito, do mesmo modo só quem se deixasse iluminar pelo Espírito poderia percebê-la. Quem se fechava ao Espírito, tornava-se incapaz de discernir a manifestação da misericórdia de Deus, em Jesus. Fechar-se para Jesus, portanto, significa fechar-se para Deus e, por conseguinte, tornar-se indigno de perdão.
Oração
Senhor Jesus, ajuda-me a reconhecer a ação do Espírito em ti e a perceber a misericórdia do Pai atuando através de ti.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Sobre as Oferendas Senhor nosso Deus, vede nossa disposição em vos servir e acolhei nossa oferenda, para que este sacrifício vos seja agradável e nos faça crescer na caridade. Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da Comunhão Sois minha rocha, meu refúgio e salvador! Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga! (Sl 17,3)
Depois da Comunhão Ó Deus, que curais nossos males, agir em nós por esta eucaristia, libertando-nos das más inclinações e orientando para o bem a nossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.


Religião Liturgia Diária
Dia 6 de Junho – Quarta-feira
IX SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde – Ofício do Dia da I Semana)

Antífona de Entrada
Olhai para mim, Senhor, e tende piedade, pois vivo sozinho e infeliz. Vede minha miséria e minha dor e perdoai todos os meus pecados! (Sl 24,16.18)

Oração do dia
Ó Deus, cuja providência jamais falha, nós vos suplicamos humildemente: afastai de nós o que é nocivo e concedei-nos tudo o que for útil. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura (2 Timóteo 1,1-3.6-12)
Leitura da segunda carta de são Paulo a Timóteo.
1 1 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus para anunciar a promessa da vida que está em Jesus Cristo,
2 a Timóteo, filho caríssimo: graça, misericórdia, paz, da parte de Deus Pai e de Jesus Cristo, nosso Senhor!
3 Dou graças a Deus, a quem sirvo com pureza de consciência, tal como aprendi de meus pais, e me lembro de ti sem cessar nas minhas orações, de noite e de dia.
6 Por esse motivo, eu te exorto a reavivar a chama do dom de Deus que recebeste pela imposição das minhas mãos.
7 Pois Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e de sabedoria. 8 Não te envergonhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo Evangelho, fortificado pelo poder de Deus.
9 Deus nos salvou e chamou para a santidade, não em atenção às nossas obras, mas em virtude do seu desígnio, da graça que desde a eternidade nos destinou em Cristo Jesus,
10 e agora nos manifestou mediante a aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, que destruiu a morte e suscitou a vida e a imortalidade, pelo Evangelho,
11 do qual fui constituído pregador, apóstolo e mestre entre os gentios.
12 É este o motivo por que estou sofrendo assim. Mas não me queixo, não. Sei em quem pus minha confiança, e estou certo de que é assaz poderoso para guardar meu depósito até aquele dia.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 122/123
Ó Senhor, para vós eu levanto meus olhos.
Eu levanto os meus olhos para vós,
que habitais nos altos céus.
Como os olhos dos escravos estão fitos
nas mãos do seu senhor.

Como os olhos das escravas estão fitos
nas mãos de sua senhora,
assim os nossos olhos no Senhor,
até de nós ter piedade.

Evangelho (Marcos 12,18-27)
Aleluia, aleluia, aleluia.
Eu sou a ressurreição, eu sou a vida, quem crê em mim, ainda que morra, viverá (Jo 11,25s).
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.
12 18 Ora, vieram ter com Jesus os saduceus, que afirmam não haver ressurreição, e perguntaram-lhe:
19 “Mestre, Moisés prescreveu-nos: Se morrer o irmão de alguém, e deixar mulher sem filhos, seu irmão despose a viúva e suscite posteridade a seu irmão.
20 Ora, havia sete irmãos; o primeiro casou e morreu sem deixar descendência.
21 Então o segundo desposou a viúva, e morreu sem deixar posteridade. Do mesmo modo o terceiro.
22 E assim tomaram-na os sete, e não deixaram filhos. Por último, morreu também a mulher.
23 Na ressurreição, a quem destes pertencerá a mulher? Pois os sete a tiveram por mulher”.
24 Jesus respondeu-lhes: “Errais, não compreendendo as Escrituras nem o poder de Deus.
25 Na ressurreição dos mortos, os homens não tomarão mulheres, nem as mulheres, maridos, mas serão como os anjos nos céus.
26 Mas quanto à ressurreição dos mortos, não lestes no livro de Moisés como Deus lhe falou da sarça, dizendo: ‘Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’?”
27 Ele não é Deus de mortos, senão de vivos. Portanto, estais muito errados.
Palavra da Salvação

Comentário ao Evangelho
O DEUS DOS VIVOS
A ressurreição dos mortos era uma doutrina rejeitada pelos saduceus e aceita pelos fariseus. A pergunta dos saduceus visa, em vão, fazer Jesus optar por uma destas facções.
O exemplo contado pelos saduceus peca gravemente por interpretar, de maneira indevida, a ressurreição dos mortos com categorias terrenas. O esquema da história dos sete casamentos sucessivos da mulher com sete diferentes homens vale para a existência terrena. Com a ressurreição se passa de modo diverso. Aí não se pode falar de casar e dar-se em casamento, pois a condição do ser humano após a morte o faz semelhante aos anjos no céu, ou seja, não subordinado às categorias de espaço e tempo e não sujeitos às carências próprias da existência terrena. Não vale falar em relação matrimonial em se tratando da ressurreição.
A resposta de Jesus redunda em denúncia da concepção de ressurreição tanto dos fariseus quanto dos saduceus. Eles, sem dúvida, viviam em constante litígio por causa de problemáticas inconvenientes em torno das quais giravam suas reflexões. Jesus propõe a ambos refazerem seu modo de pensar e não atrelarem as coisas de Deus a seus próprios esquemas. A perspectiva aberta parte do pressuposto de ser seu Deus o Deus de vivos e não de mortos. Junto dele, as categorias terrenas perdem seu valor. Quem quiser pensar a ressurreição deve partir da indicação dada por Jesus, senão se enredará em falsos problemas.
Oração
Senhor Jesus, ajuda-me a pensar corretamente o mistério da ressurreição sem projetar nele minhas categorias humanas.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês).
Sobre as Oferendas
Confiados, ó Deus, no vosso amor de Pai, acorremos ao altar com nossas oferendas; dai-nos, por vossa graça, ser purificados pela eucaristia que celebramos. Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da Comunhão
Eu vos chamo, ó meu Deus, porque me ouvis; inclinai o vosso ouvido e escutai-me! (Sl 16,6)
Depois da Comunhão
Ó Deus, governai pelo vosso Espírito aos que nutris com o Corpo e o Sangue do vosso filho. Dai-nos proclamar nossa vê não somente em palavras, mas também na verdade de nossas ações, para que mereçamos entrar no reino dos céus. Por Cristo, nosso Senhor.

 

 

caravana __

Posted: June 6, 2018 in Uncategorized

O DÉCIMO DIA DA TRAVESSIA

Estávamos no décimo dia de viagem. Ainda não tinha amanhecido. Eu me revirava de um lado para o outro sem sono. Resolvi sair da barraca. O deserto estava iluminado pelas muitas estrelas do céu e de alguns poucos lampiões pendurados nas entradas das tendas. Uma brisa fria, que no passar das horas desaparecia para dar lugar a um forte calor à medida que o dia avançava, exigia que eu me cobrisse com uma manta. O silêncio era absoluto. Ocorreu-me que ainda não tinha ouvido ninguém na caravana falar dos demônios do deserto. Eu conhecia muitas histórias, mitos e lendas sobre esses espíritos e não tinha qualquer dúvida de que havia algo de verdade. Sentei-me na areia e fiquei envolvido em reflexões. Logo o céu mudou de cor anunciando o novo reinado do sol. As tendas começaram a ficar barulhentas com o despertar do acampamento. Alegrei-me com a possibilidade de tomar um café quente logo pela manhã. A primeira pessoa que vi foi o caravaneiro. Ele estava pensativo, com o olhar perdido no deserto. Estranhei ele não estar com o falcão para o adestramento matinal. Sem dar importância a esse detalhe, me aproximei e perguntei pelos demônios do deserto. Eu queria saber se ele acreditava na existência deles. O caravaneiro me olhou rapidamente, depois se voltou para o deserto e disse: “Eles acompanham a caravana e estão misturados aos viajantes”.

Antes que eu iniciasse uma série de perguntas que me ocorreram, ele orientou: “Arrume logo a sua bagagem. Sairemos mais cedo do que de costume, pois temos que chegar ao poço antes do anoitecer. Precisamos abastecer. Não há tempo a perder”. Falei que antes tomaria uma caneca de café. Ele esclareceu: “Não haverá desjejum hoje. Partiremos assim que as tendas forem recolhidas”. Aquilo me irritou. Alguns poucos minutos para um rápido café não fariam diferença até a chegada ao poço. Achei que faltavam planejamento e sensatez. Pensei em dizer isso a ele, mas quando me virei e o caravaneiro viu as minhas feições, se adiantou as minhas palavras e falou: “Reze”. Em seguida concluiu: “Que Deus o proteja”. E saiu.

Voltei para a tenda e arrumei as minhas coisas. Foi quando percebi que a bela mulher com olhos da cor de lápis-lazúli me observava. Conversar com ela era uma das coisas mais interessantes da caravana. Tentei me aproximar, mas um homem intercedeu pela minha ajuda. Precisava de auxílio para colocar o seu pesado alforje sobre o camelo. Não tinha como negar; um precioso minuto foi suficiente para eu não mais a encontrar quando tornei a procurá-la. Voltei a me irritar ainda tão cedo. Aquele não estava sendo um bom dia.

Logo a caravana iniciou a sua marcha. Domei a minha ira à força, como se faz com um animal selvagem, e tive os pensamentos desviados para memórias, antigas e recentes, de situações mal resolvidas que ainda me traziam desconforto. Enquanto atravessávamos dunas após dunas, eu lembrava de como poderia ter me comportado diferente naqueles momentos do passado que me deixaram mágoas. Achei que algumas pessoas mereceriam respostas mais duras e outras eu jurei nunca mais procurar ou dirigir a palavra. Olhei no relógio e o tempo se arrastava bem mais lento do que eu desejava.

Foi quando tornei a perceber que, de longe, a bela mulher com os olhos da cor de lápis-lazúli me observava. Porém ela estava a uma distância que não permitia a minha aproximação. Nesse momento, um homem que seguia um pouco à frente, acendeu um charuto. Era comum algumas pessoas fumarem durante a marcha, mas aquele cheiro estava insuportável. Como ninguém nada falou, adiantei o meu camelo para reclamar com ele. Logo se iniciou uma ríspida discussão acalmada pelos viajantes que estavam próximos. Um dos encarregados da caravana me recolocou em outro lugar, distante da fumaça do charuto. Fiquei indignado com a permissividade de todos em relação ao fumo. Sem dúvida, um absurdo, mormente em um grupo controlado com regras de comportamento tão rigorosas como uma caravana. Decidido a não deixar que a irritação me dominasse, desviei o pensamento para momentos agradáveis da minha vida. Situações que me levaram a outras, de pesadas memórias. Dei-me conta de como as pessoas são difíceis e como é raro encontrar alguém que tenha empatia pelos outros, que sintam os sentimentos do mundo e disponibilize o próprio coração com boa vontade para pacificar as relações. Situações que eu pensei esquecidas tornaram a se fazer presentes em minha memória, trazendo a sensação de que eu não tinha sido tão feliz quanto imaginava. Tive certeza o mundo não era um bom lugar para se viver quando chegou a notícia de que não pararíamos, como também era de costume, para um breve almoço. A caravana seguiria initerruptamente até o poço. O calor estava insuportável e o sol mais quente do que nos dias anteriores. A bela mulher de olhos da cor de lápis-lazúli, de longe, continuava a me observar.

Custei a acreditar quando chegamos ao poço ainda no meio da tarde, restando algumas boas horas até o anoitecer. Veio a ordem para montar o acampamento e que todos se abastecessem de água. O jantar seria servido em seguida. Decidi esperar que a enorme fila que se formou no poço terminasse. Não havia pressa, pois só partiríamos no dia seguinte. Vi que o sábio homem do chá colocava algumas ervas em infusão e me aproximei. Comentei que não entendia a pressa que nos deixou sem desjejum e almoço. Ainda era cedo e daria tempo para tudo. O homem sorriu com doçura e tentou explicar: “As reservas de água da caravana estavam esgotadas e não podíamos correr o risco que algum imprevisto impedisse que chegássemos aqui antes de anoitecer”. Falei que se a caravana fosse uma empresa e o caravaneiro o seu diretor, com certeza seria demitido por um planejamento tão equivocado. O sábio do chá disse com doçura: “Por isso ele é um homem da areia e não um executivo do asfalto. Cada qual com a sua beleza e sabedoria”. Agradeci o chá e me afastei pensando como as pessoas no deserto eram resignadas em excesso. Eu não tinha ouvido uma única reclamação por causa daquela absurda programação. Uma paciência tão estendida que beirava a permissividade. Isto me incomodava.

Enquanto aguardava o jantar, vi que o caravaneiro se afastava com o seu falcão pousado na grossa luva de couro que usava no braço esquerdo, para iniciar o treinamento vespertino da ave. De longe vi o falcão planar no céu por longos segundos com as asas abertas até as recolher para um mergulho profundo e retornar com uma serpente em suas garras. A cena me fascinou e decidi me aproximar, quando fui impedido por um dos encarregados, sob a alegação que o caravaneiro tinha pedido para ficar só. Falei que estranhava a ordem, pois outras vezes tinha conversado com ele enquanto adestrava o falcão. Acrescentei que estava cansado de ordens sem qualquer sentido e me desvencilhei para ir de encontro ao caravaneiro. O encarregado tornou a me segurar e quando tentei me soltar, a minha roupa rasgou. Reagi e nos embolamos no chão. Rapidamente outras pessoas chegaram para apartar a briga, evitando maiores consequências. O caravaneiro que assistiu a tudo, mandou que fossemos falar com ele. Demos as nossas explicações. Dispensado o encarregado, que apenas cumpria uma ordem, o caravaneiro se virou para mim e disse: “Você não queria conhecer os demônios do deserto? Eles te acompanharam por todo o dia. Espero que consiga se entender com eles”. Em seguida determinou que eu estava proibido de jantar e deveria ficar o resto do dia afastado do grupo. Irritado, perguntei se ele me puniria com a fome. Ele esclareceu: “Não, a sua pena será a reflexão. Mais do que uma punição, que a pena sirva de aprendizado ou não servirá para nada”.

Sozinho, sentado na areia, vi o céu mudar de cor enquanto a minha mente se parecia com uma tempestade do deserto. Revolta e ressentimento me devoravam como predadores a uma presa. Foi isto que falei à bela mulher com os olhos da cor de lápis-lazúli quando ela me surpreendeu ao se sentar ao meu lado. Ela ouviu todos os meus lamentos com paciência e, ao final, falei que o caravaneiro dissera que os demônios tinham me feito companhia por todo o dia. Confessei que tinha achado sem sentido o comentário dele, pois o fato de eu ter opinião sobre qualquer assunto era um direito meu. A mulher balançou a cabeça em concordância, mas teceu considerações que iam além do aspecto mundano: “Nossas opiniões são sagradas por revelarem, muito ou pouco, da verdade que nos habita naquele momento. As escolhas, reflexo prático das ideias, se nutrem das nossas emoções, poço onde os demônios bebem se dermos a eles aquilo que os alimenta. Então, o sagrado se afasta, a espera de que possamos entender e lidar com a trindade que define quem somos: sentimentos, ideias e escolhas. Coração, mente e mãos; sentir, pensar e fazer. Eis a santíssima trindade do ser”.

Eu quis saber quais eram os alimentos dos demônios. A mulher respondeu de imediato: “As sombras. Muito mais do que em grandes desastres, os demônios se fazem presentes nas situações banais do cotidiano. O orgulho, a vaidade, a inveja, o ciúme, a ganância, o medo, o egoísmo, a impaciência, a vitimização são as portas de entrada mais comuns. Formam um enorme banquete para as trevas. Por descuido, no desencontro de quem somos, nos tornamos justamente aquilo que tememos”.

“Isso nos leva a uma óbvia conclusão: ninguém nos prejudica mais do que cada um a si mesmo”.

Pedi para ela explicar melhor, mas a mulher se levantou, disse para eu continuar em reflexão. Se pudesse, após o jantar, voltaria. A vi se afastar com seu jeito gracioso de andar até desparecer em uma das tendas. Envolto comigo mesmo, achei que aquelas palavras faziam sentido e me permiti usá-las como guia para reflexão. Procurei acalmar os sentimentos para que não atrapalhassem a fluidez dos pensamentos. Passado algum tempo, me ocorreu que, se eu agigantava os demônios com as minhas emoções, ideias e atitudes, também seria capaz de enfraquecê-los da mesma forma. Tudo se resumia em ser um poço de sombras ou de luz. Isto definiria quem, se anjos ou demônios, se aproximaria para andar comigo. Sim, os demônios do deserto não apenas se alimentavam comigo, mas, pior, percebi que muitos eram criações minhas. Sim, alguns nasciam das minhas emoções, ideias e atitudes.

Em contrapartida, pensei, como criador eu também tinha o poder de criar anjos. Melhor ainda se eu criasse os anjos a partir da transmutação dos próprios demônios. Afinal, “nada se perde, tudo se transforma”, ensinou certa vez um alquimista francês. Para tanto, era preciso luz. Onde buscar luz? Ora, só havia um lugar, na mesma fonte das sombras, na trindade pessoal, em mim mesmo. Cada ser é a perfeita fonte de luz do universo. Luz ou trevas, anjos ou demônios, são escolhas pessoais. Naquele instante, eu percebi que precisava refazer as minhas criações. Era necessário também trocar quem me acompanhava e aconselhava. Entendi que por este motivo, a trindade pessoal é o perfeito escudo contra o mal. Indo mais fundo, cheguei à conclusão de que, se ela, a trindade pessoal, me liberta das prisões impostas pelas sombras, ela se torna também as minhas asas. Ali, na trindade, está todo o poder e a magia do mundo. Uma agradável sensação me envolveu. Satisfeito, sorri comigo mesmo.

Passou um tempo que não sei precisar; todo o acampamento dormia, enquanto eu continuava encantado com as minhas descobertas. A bela mulher com olhos de lápis-lazúli retornou. Contei sobre o conhecimento que tinha se revelado para mim e a agradeci por suas palavras. Ela arqueou os lábios em leve sorriso e disse: “Nada que não estivesse pronto para florescer. As sombras não são de todo ruim como se costuma pensar. Não raro se tornam a força necessária para romper a casca da semente onde a luz aguarda para germinar”.

Falei que estava envergonhado pela minha postura durante aquele dia. A mulher me corrigiu em um tom entre a gentileza e a firmeza: “Não sinta vergonha para não ficar paralisado. Ninguém chega pronto para atravessar o deserto. Seja grato a tudo e a todos pelo aprendizado. No entanto, o mais importante é o compromisso com a transformação do próprio ser e toda a mudança que isto irá gerar ao seu redor”. Olhou-me profundamente e concluiu: “É disso que os demônios mais temem”.

Sem se despedir, se levantou e andou até o alto de uma duna. Então, sozinha, bailou para as estrelas que iluminam o céu do deserto.

Outros textos do autor em www.yoskhaz.com

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, céu, natureza e atividades ao ar livre

ae política _

Posted: June 6, 2018 in Uncategorized

ssa mensagem? Clique aqui 
leia no seu navegador
Estadão
politica
<a OPERAÇÃO REGISTRO ESPÚRIO
PF vê depósito da UGT como indício de propina
novas iniciativas

Movimento lança 70 medidas legislativas contra a corrupção
eleições
Fórum Estadão-Faap discute campanha eleitoral e fake news
Colunas
Exclusivo do Assinante
Coluna do Estadão
Coluna do Estadão
Tesouro terá de repassar R$ 3,5 bi aos Estados Eliane Cantanhêde
Eliane Cantanhêde
O eleitor militar
João Domingos
João Domingos
Um País de reféns
LEIA MAIS EM COLUNISTAS Seta sentido Direita
Blogs
Fausto Macedo
Fausto Macedo
Sem os jovens, futuro da política é sombrio Coluna do Estadão
Coluna do Estadão
PF e PGR pediram afastamento de Paulinho do comando da SD; Fachin negou
Legis-Ativo
Legis-Ativo
Sobre Eleições, Whatsapp e Fake News
LEIA MAIS EM BLOGS Seta sentido Direita
TV Estadão
 
Imagem de player
Gabriele Alves Ferreira sugere #caminhospara2018
Veja mais em TV Estadão