terças pretas __

Posted: May 2, 2016 in cultura, divulgação

Com o Bando de Teatro Olodum como anfitrião, projeto Terças Pretas reúne teatro, música e literatura no Vila Velha
Em maio, o Bando de Teatro Olodum retorna com o projeto Terças Pretas, ocupando o Teatro Vila Velha, em Salvador, com poesia, literatura e espetáculos teatrais. A estreia acontece nesta terça, 3 de maio, 19h, com o espetáculo “Se Deus Fosse Preto”, monólogo de Sergio Laurentino. Serão cinco edições quando se evidenciará o modo como a companhia vem unindo arte e militância, influenciando artistas que dão continuidade a essa trajetória. A cada terça-feira, sempre às 19h, uma programação nova, incluindo convidados especiais como a atriz e poetisa Vera Lopes, o escritor e professor de Literatura Cuti, o cantor Dão e a banda IFÁ Afrobeat.
Entre os frutos dos 25 anos do teatro negro do Bando está o ator Sergio Laurentino, que abre a programação das Terças Pretas, dia 03 de maio com o monólogo, Se Deus Fosse Preto. Após 15 peças no currículo e mais de dez anos integrando o Bando de Teatro Olodum, o ator encara seu primeiro espetáculo solo. Com texto do próprio Sergio Laurentino e direção de Jean Pedro, Se Deus Fosse Preto traz questionamentos sobre como seria se o Deus cristão, ocidental, cultuado pela maior parte das religiões, fosse substituído por um Deus negro, com outros valores, outra doutrina e outro templo. Esse é Lhoid, um homem negro, preso injustamente por assassinato, e que na prisão, escreve textos que serão base da criação de uma nova religião universal. Sergio Laurentino já atuou em espetáculos do Bando, como Cabaré da RRRRRaçaÁfricasBença e  , além de participações no cinema (Besouro Jardim das Folhas Sagradas) e na televisão (as série da Rede Globo Ó paí, ó e O Caçador). A apresentação de Se Deus Fosse Preto acontece no dia 03 de maio (terça-feira), 19h. Ingressos R$20 e R$10 (meia)
O teatro herdeiro do Bando de Teatro Olodum continua em cena no dia 10 de maio, com a peça Eles não sabem de nada, com texto e direção de Leno Sacramento e atuação das atrizes Naira da Hora e ShirleI Sanjeva. Todos os três são conhecidos pela atuação nas peças do Bando, como Erê, de 2015. Em Eles não sabem de nada é mostrado, de forma divertida, o encontro entre duas mulheres negras, independentes, militantes, empoderadas e com senso de humor para criticar o machismo.  Ingressos R$20,00 e R$10,00 (meia).
Na terça, 17, o Bando de Teatro Olodum abre espaço para a rica produção literária de escritoras e escritores. É o recital Vozes Negras, que valoriza o poder da mulher e as escritas femininas, na voz e na performance das atrizes Valdinéia Soriano, Cássia Vale e Jamile Alves. Com concepção e direção do ator Jorge Washington, o recital  terá a participação do violonista Mauricio Lourenço, do ator e percussionista Ridson Reis, que, como os outros artistas envolvidos, é integrante do Bando de Teatro Olodum. O recital terá ainda como convidadas a atriz Luciana Souza, a cantora Aline Sousa, e como atrações musicais a banda IFÁ Afrobeat, a cantora norteamericana Alisa Sanders e o cantor Dão. Ingressos R$20,00 e R$10,00 (meia).

 

PROGRAMAÇÃO – Terças Pretas – maio 2016

Dia 03/05 – monólogo Se Deus Fosse Preto, com atuação e direção de Sergio Laurentino. (Ingressos: R$20,00 e R$10,00 –  meia entrada)

Dia 10/05 – espetáculo Eles não sabem de nada, direção de Leno Sacramento. (Ingressos: R$20,00 e R$10,00 –  meia entrada)

Dia 17/05 – recital poético Vozes Negras, com atrizes do Bando de Teatro Olodum e direção de Jorge Washington. (Ingressos: R$20,00 e R$10,00 –  meia entrada)
Di 24/05 – Lançamento do livro Terecô de Codó. ENTRADA FRANCA
Dia 31/05 – Leitura dramática do texto Tenho medo de monólogo, com Vera Lopes e Cuti. PAGUE QUANTO QUISER!

Tetro Vila Velha, Passeio Público, Campo Grande, Salvador-BA
O Teatro Vila Velha é gerido pela Sol Movimento da Cena e é uma das15 instituições apoiadas pelo programa Ações Continuadas a Instituições Culturais, iniciativa da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) através do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA).
Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamenteculturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br 
Informações à imprensa: Eduardo Coutinho | (71) 98879-4189 / 3083-4617 | comunicacao@teatrovilavelha.com.br

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s